Contos Africanos: Conto da mulher que tinha uma filha fabricante de azeite-de-dendê

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Contos Africanos: Conto da mulher que tinha uma filha fabricante de azeite-de-dendê

Um dia, uma menina tinha terminado de preparar seu azeite e tinha arrumado todos os seus negócios em casa, foi à feira vender o azeite, onde ficou até escurecer. Quando chegou a noite, apareceu um Velho, comprou azeite e pagou com alguns cobres. A menina contou os cobres, e viu que estava faltando um. Ela pediu ao Velho que completasse o valor. O Velho respondeu que não tinha mais cobres. Então a menina começou a chorar, dizendo:
– Não posso voltar para casa com cobres a menos, pois minha mãe me baterá.
O Velho foi-se e a menina seguiu-o.
– Vai embora, menina, pois ninguém pode entrar no país onde eu moro – falou o Velho quando viu que a menina o seguia.
– Não – disse a menina – eu vou até onde você for e só voltarei quando pagar o meu cobre.
Então seguiram. Caminharam muito até que chegaram à margem do riacho. Aí, o Velho disse:
– Menina vendedora de azeite-dendê, agora você deve voltar.
– Só voltarei quando receber o meu cobre.
– Cedo este rastro de sangue no rio desaparecerá e você deve voltar – replicou o Velho.
– Não voltarei.
– Está vendo aquela floresta escura?
– Estou, mas não voltarei.
– Está vendo aquela montanha pedregosa?
– Estou, mas não voltarei sem receber o meu cobre.
Daí, andaram por um caminho comprido, até que chegaram na terra dos Mortos. O Velho deu alguns cocos de dendê para a menina fazer azeite e disse:
– Coma o azeite e me dê à casca.
Quando o azeite ficou pronto, ela comeu a casca e deu o azeite para o Velho. O Velho deu uma banana e disse:
– Coma a banana e me dê à casca.
A menina comeu a casca e deu a banana para o Velho comer. Então, disse o Velho:
– Está vendo aquele monte de cabacinhas? Apanhe três daquelas cabacinhas. Não tire das que pedirem, e sim das que ficarem caladas e volte para sua casa. Quando estiver no meio do caminho, quebre uma; na porta de sua casa, quebre a outra; e a última, quando você estiver dentro de casa.
– Muito bem, será feita a sua vontade – disse a menina.
A menina apanhou suas cabacinhas como o Velho ensinou e voltou para casa.
No meio do caminho quebrou a primeira cabacinha e apareceram muitos escravos e cavalos que lhe seguiram. Quando estava à porta de casa, quebrou a outra e logo apareceu muita gente, carneiros, cabras, bois e muitas aves que a seguiram. Chegando dentro de casa quebrou a última. De repente, a casa ficou cheia de cobres por tudo quanto foi canto. A mãe da menina então, com toda aquela riqueza, resolveu mandar para uma senhora vizinha, vinte panos da costa, muitas voltas de contas e vinte animais de cada espécie que a menina ganhou no presente.
Esta senhora era muito invejosa e tinha uma filha mais invejosa ainda, e, sabendo como a filha da outra tinha recebido os presentes, fez azeite-dendê e deu à sua filha para ir vender na feira. Explicou a filha que ela deveria fazer o mesmo que a filha da vizinha. A menina foi e o Velho apareceu comprando azeite, pagando com o número certo de cobres. A menina invejosa escondeu um, dizendo não ter recebido os cobres completos.
– O que eu posso fazer? – perguntou o Velho – Não tenho mais cobre.
– Eu vou até sua casa e lá você me paga?
– Está certo – respondeu o Velho.
Quando estavam caminhando, o Velho começou a dizer o que tinha dito para a outra menina.
– Jovem vendedora de azeite-dendê,agora deves voltar para sua casa.
– Não voltarei – disse a menina.
– Então vamos adiante – respondeu o Velho.
E seguiram até a terra dos Mortos. O Velho deu cocos de dendê para fazer azeite e disse:
– Coma o azeite e me traga a casca.
A menina assim fez e o Velho disse:
– Muito bem.
Deu a banana. A menina comeu a banana e devolveu a casca.
Então, o Velho disse:
– Esta vendo aquele monte de cabacinhas? Vá, tire três cabacinhas, mas só tira das que estiverem caladas. Das que pedirem para ser tiradas, você não tira.
A menina fez o contrário e tirou as que pediram para ser tiradas.
O Velho então disse:
– No meio do caminho, você quebra uma; na porta de sua casa, quebra a outra; e dentro de sua casa quebra a última.
No meio do caminho, ela quebrou a primeira cabacinha. Aí, apareceu uma porção de cachorros correndo atrás dela, dando-lhe dentadas. Já exausta, ela chegou à porta da casa, quebrou a outra cabacinha, saindo leões ferozes, que caíram em cima dela mordendo e rasgando seu vestido. Quando ela quis entrar, a porta estava fechada e não tinha pessoa nenhuma em casa, pois até a mãe dela estava na rua. Na porta mesmo a menina foi morta pelos animais que lhe acompanhavam.
Tati Simões

Tati Simões

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Pinterest
WhatsApp

3 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias
Parceiras
Visitas
free website counter html code